YOGA E MEDITAÇÃO – Imersão nos Cinco Elementos

Alguns sistemas ancestrais baseiam o seu conhecimento do Ser na crença de que somos constituídos por cinco elementos: Terra, Água, Fogo, Madeira e Metal, que ocupam diferentes áreas do nosso corpo, afetando a mente, emoções e comportamento.
Ao longo de 5 sessões de masterclasses/workshops temáticos propomos emergir, sentir e integrar os cinco elementos. Mantê-los em equilíbrio, mantém-nos saudáveis e bem dispostos. Através da ciência do Yoga e técnicas de meditação iremos preparar o corpo e a mente para o caminho do auto-conhecimento em harmonia com a Natureza. Nesta sessão iremos trabalhar o elemento TERRA.

PARTICIPANTES | Jovens e Adultos

DATA | domingo, 7 de maio

HORÁRIO | das 10h00 às 13h00

CUSTO |15€ por sessão

INSCRIÇÕES | 937 837 483 | direccao@a-reserva.org

LOCAL | Fábrica da Pólvora, Casa das Aduelas, edifício 28

CONTACTO | 937 837 483 | direccao@a-reserva.org

Orientadores: Paula Neves e Nuno Lima

FÁBRICA SOBRE TELA

Oficina de pintura temática no complexo da Fábrica da Pólvora.

O objetivo é proporcionar a união entre a pintura com a descoberta de espaços verdes, arquitetónicos ou elementos característicos da antiga atividade da Fábrica, como fonte de inspiração e desenvolvimento das aptidões artísticas pessoais, são o principal objetivo de A Fábrica Sobre Tela.

PARTICIPANTES | A partir dos 12 anos

DATA | todos sábados

HORÁRIO | das 14h00 às 17h00

CUSTO | 12€/participante

INSCRIÇÕES e CONTACTO | 937 837 483 | direccao@a-reserva.org

LOCAL | Fábrica da Pólvora, Casa das Aduelas, edifício 28

Orientador: Pedro Oliveira

Mapa das Ideias | Cultural Management and Audience Development Center

A estrutura de criação e de formação A RESERVA resulta de uma ideia que esteve presente na própria criação da Mapa das Ideias, em 1999. Esta empresa se dedica à Mediação Cultural, criando projectos que estabelecem relações entre instituições culturais e pessoas. O trabalho é uma referência a nível nacional e Europeu e é fundamentado na crença profunda de que a relação com o Património e a Cultura é formadora e transformadora.

Por essa razão, a Mapa das Ideias é a organização âncora do espaço, trazendo no seu próprio código uma rede de pequenos e talentosos parceiros, fomentando relações de mentorado e de inovação.

N’ A RESERVA, a Mapa das Ideias encontra a casa para um dos seus projectos mais ambiciosos: a abertura do Cultural Management and Audience Development Center, espaço de formação e desenvolvimento pessoal que pretende ser uma referência ao nível Europeu. Pode ver mais sobre os seminários, aqui e aqui.

À semelhança dos outros parceiros que habitam e programam no espaço, a Mapa das Ideias encontra neste espaço, um ecossistema que estimula a criatividade e a sustentabilidade, numa óptica mais lata de empresa-cidadã, de responsabilidade e de reflexão. Novos tempos, circunstâncias difíceis, exigem novas formas de estar e uma maior responsabilidade social e política.

HPP | Associação Histórias para Pensar

A Associação Histórias para Pensar foi criada em Maio de 2009 por um grupo de profissionais ligados aos museus, às artes e ao ensino. É uma associação sem fins lucrativos que tem como principais objetivos:

  • Contribuir para a aprendizagem ao longo da vida de públicos de todas as idades.

  • Produzir projetos culturais, educativos e criativos, destinados a todos os tipos de públicos.

  • Produzir, promover e divulgar boas práticas de aprendizagem formal, não formal e informal.

  • Produzir, promover e divulgar ações de formação, workshops e oficinas de aprendizagem certificada, informal e não formal.

  • Produzir, promover e divulgar práticas de mediação cultural, no seu sentido mais alargado.

  • Produzir e promover redes de parceria nacionais e internacionais de apoio à divulgação e comunicação de ações culturais, patrimoniais, arquitetónicas, artísticas, educativas e pedagógicas.

Quanto às atividades desenvolvidas até à data, podemos resumir as seguintes:

Em fevereiro de 2012 apresentou uma candidatura ao programa PROALV para Parcerias de Aprendizagem que foi aprovada. O projeto CETAID, Community Exibthions as tools for adult development, que envolve para além de Portugal mais quatro parceiros europeus, na Hungria, em Itália, e duas instituições no Reino Unido, pretende identificar e promover boas práticas de inclusão/curadoria/participação das comunidades locais nas exposições organizadas pelos museus em cada região – a decorrer até maio de 2014.

Em outubro de 2012, promoveu em parceria com o Museu Nacional de Arqueologia, um encontro para filósofos americanos do Center for Philosophy of Religion, Indiana, USA, sobre o Terramoto de Lisboa de 1755. Efetuou-se uma apresentação histórica dos acontecimentos e um percurso desenhado por Lisboa de forma a visitar os vestígios arquitetónicos do terramoto e a consequente reconstrução da cidade.

Em dezembro de 2012, apresentou integrado na Trienal Movimento Desenha, o projeto BD ao Forte com workshops e exposição no Museu dos Combatentes, em Lisboa.

Em 2011 foi parceira da Mapa das Ideias, Lda no curso de formação Mediadores Culturais, na sua 3ª edição realizado no Museu de Cerâmica de Sacavém  e no Porto, no Museu Romântico da Quinta da Macieirinha.

QUAL ALBATROZ

Manifesto

Das coisas em que acreditamos…

Gostamos de ser fazedores – dar forma e peso a um desejo que nos empolga. Na Qual Albatroz, papel, palavras e tinta são os nossos materiais de eleição, trabalhados segundo as técnicas artesanais de feitura de livros e de impressão serigráfica. É com eles que criamos livros, serigrafias, postais, ou o que a imaginação nos vier a encomendar. Papel, palavras e tinta oferecem-nos, pela plasticidade que os caracteriza, uma liberdade total para encontrarmos a forma certa de cada ideia que nos desafia.

Inspiração

A Qual Albatroz é uma casa de fazedores de livros, riscadores de papel e contadores de histórias, onde as ideias rodopiam livres e a criatividade tem pernas para voar. Como editores independentes, a nossa actividade compreende três áreas distintas: serigrafias e livros feitos à mão, livros de poesia e arte, e livros para crianças. Ligam-nas o empenho, o rigor e a alegria que pomos em cada projecto.

Livros e outras folhas

Somos os livros que lemos, somos as páginas e as palavras que nos deixam deslumbrados no canto da nossa leitura. Somos as ilustrações, as legendas e as anotações que fomos deixando. E mesmo sendo tudo isso, queremos continuar a ser mais e os outros connosco. É essa a razão de sermos uma editora, e por isso, não nos resta outra a não ser editar mais livros, os livros que achamos que ainda fazem falta a todos.

O resto é a beleza inefável das coisas feitas com alma.

Joana Santos | aqui há estória

Tem a escrita como paixão, dedicando parte do seu tempo a esta actividade através dos trabalhos que realiza no projecto “aqui há estória”, criado por si, fornecendo trabalhos de escrita personalizada. Licenciou-se em Comunicação Empresarial, e tem desenvolvido a sua actividade profissional na área do Marketing e da Comunicação. Pelo meio realizou uma pós-graduação em Assessoria de Imprensa e outra em Marketing e diversos cursos ligados à escrita (escrita de ficção, como escrever um romance, escrita de biografias, revisão de texto). É professora da área de Marketing e Comunicação no Instituto Politécnico de Tomar.

 

Paula Janeiro | Gastroclube

Cores, texturas, tendências, sabores, criatividade, tradição, dedicação, profissionalismo, pontualidade, responsabilidade e sentido de humor são adjectivos que a caracterizam. A cozinha entrou na sua vida tardiamente aos 39 anos e por mero acaso.

Rapidamente, a curiosidade e o interesse se transformaram em amor. Para trás ficaram 20 anos de Publicidade, Agências e Multinacionais, dos quais o stress do escritório, reuniões, timming de produções deram lugar à gerência do próprio restaurante, fogões, compras e organização e confecção para eventos.

Com formação em cozinha e pastelaria, todos os dias são Natal, a família é o mundo e a mesa deve estar sempre repleta.

Carmo Stichini

Carmo Stichini trabalha em gestão cultural desde 1995. Trabalhou em inúmeros projectos em Portugal e no estrangeiro, principalmente ligados à promoção da cultura portuguesa. Para além do trabalho de produção e gestão de eventos e espectáculos, tem uma vasta experiência na gestão comercial em contextos de desenvolvimento de projectos ligados às indústrias criativas. Desde Abril de 2015 trabalha na Direcção comercial da Fnac Portugal.
É formada em teatro e tem um mestrado em Gestão Cultural pela Universidade de Barcelona.

Mãos Que Cantam

O projeto Mãos que Cantam, iniciado em 2010,criou um coro de surdos entre os alunos da licenciatura e mestrado em Língua Gestual Portuguesa do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica que começou por atuar em conjunto com o Coro da Universidade.

Este projeto pretende demonstrar, no âmbito da responsabilidade social, que as pessoas menos capacitadas auditivamente podem fazer parte de um coro. A língua gestual igualmente rica e complementar da linguagem musical potencia a expressão dos sentimentos mais profundos, tornando assim cada concerto num espetáculo único. Este projeto é pioneiro, a nível mundial, na integração de ouvintes e não ouvintes simultaneamente num coro.

O reportório do coro inclui peças como o «Imagine» de John Lennon e o «Eu Sei» de Sara Tavares, tendo já apresentado estes temas para os mais diversos públicos (dentro e fora da vida académica). É de destacar ainda a interpretação do fado «Com que Voz» de Amália Rodrigues, sendo a primeira vez que um fado, património imaterial da humanidade e característica intrínseca da identidade portuguesa, é traduzido para língua gestual portuguesa.

Um dos objetivos deste projeto é a edição de um manual de símbolos associados à música. A língua gestual não tem alguns termos e conceitos de música, uma vez que se presume que os mesmos não fariam sentido no universo de não ouvintes. Pretendemos demonstrar que é possível expressar em língua gestual determinados conceitos musicais, como noção de intensidade, de polifonia, métrica e a estrutura formal de uma peça musical, para além da interpretação do poema em si.

Este projeto tem um financiamento do Programa Partis da Fundação Calouste Gulbenkian e do BPI Capacitar.

Nuno Lima | Shiatsu

É professor e terapeuta de shiatsu e fáscia, orientador em técnicas de meditação conducente ao desenvolvimento pessoal.

Professor e Terapeuta de Shiatsu desde 1999.
Diplomado pela International School of Shiatsu (ISS Spain/ Portugal).

Terapeuta de Espagíria Alquímica e em 2004 recebeu formação pelo Mestre de Espagíria Alquímica Toni Cerron (França).

 

 

Paula Neves | Yoga

É praticante de Yoga desde 2001 e ensina desde 2008.
Desenvolveu a sua prática individual sob a orientação do Professor Carlos Rui no Centro Portuguese de Yoga (CPY). Em 2009 obteve a Certificação de Instrutora de Yoga pelo CPYoga – Centro Lisboa. Desde 2012 dedica-se à prática Iyengar e desde 2013 frequenta a formação especializada de Instrutores certificados Iyengar com o professor Billy Konrad (Senior Iyengar Yoga Instructor).

José Carlos Dias | Qual Albatroz

Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas (Variante de Português e Inglês) pela Universidade do Algarve e pós-graduado em Cultura Portuguesa Contemporânea pela Universidade Aberta. Leitor do Instituto Camões no Instituto de Estudos Ibéricos e Ibero-americanos da Universidade de Varsóvia, onde ensina língua e literatura portuguesa, e dirige o grupo de teatro português e a revista ¿?. Gosta de ensinar, de palavras e de computadores, e vai dividindo a vida a tentar juntar estas três áreas. De quando em vez, escreve poemas, contos e teatro (peças para o grupo de Varsóvia); traduz poesia do espanhol e do polaco; e vai jogando um pouco aqui e um pouco ali.

Marc Parchow | Qual Albatroz

Marc nasceu em Paris, no Verão quente de 1976, onde foi sujeito a uma elevada concentração de criatividade, que mais tarde o viria a prejudicar na escolha de emprego, tornando-o indiferente a qualquer carreira lucrativa. Já em Portugal, estudou design na faculdade, e desde então sobrevive a desenhar. Perdido por livros, funda com José Carlos Dias uma editora independente e faz uma pós-graduação em edição, onde acaba por conhecer o amor da sua vida. Recentemente, montou um estúdio de serigrafia para poder sujar as mãos a sério. O seu ponto fraco é queijo com nutella.

Conceição Candeias | Qual Albatroz

Comecei a ser revisora sem querer, mas depressa descobri que antes de o ser já o era. E assim nasceu o meu principal ganha-pão. 

Como, além de acertos, gosto de erros, de vez em quando também faço os meus, ensaiando duvidosas combinações de palavras, papel e tinta.

Para fugir aos papéis, canto e faço tai-chi.

Desde que conheci a Qual Albatroz, tornei-me uma incorrigível maria-vai-com-o-marc. 

Enfim, tento errar cada vez melhor…

FÁBRICA SOBRE TELA | Pedro Oliveira

Natural de Lisboa, exerceu funções de desenhador técnico na área da arquitetura entre 1992/99, tendo colaborado com a empresa “Prodarg” em Cascais e como freelancer.

Na década de 90 integrou várias formações de bandas de música alternativa, tendo efetuado diversos concertos na área da Grande Lisboa.

Frequentou o curso de pintura na escola de artes Ar.Co. em Lisboa em 1991/92.

Concluiu o curso “EFA” de Técnico de Análises Laboratoriais no ano 2016.

Atualmente trabalha como artista plástico, realiza exposições periódicas de pintura e colabora com a empresa “Mapa das Ideias” no âmbito da pintura e ilustração.

 

 

Oficina Experimental

A Oficina experimental é um espaço descontraído e livre onde os participantes adquirem conhecimentos, formação e técnicas específicas para conceber e transformar materiais diversos como madeira, metal, cerâmica e vidro. Preza pela sustentabilidade e preservação do meio ambiente.

 

OFICINA EXPERIMENTAL | Rafael Marques

Estudou Design de equipamento na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa entre 1986 a 1991. Vence em 1992 o Prémio de Design Sonae. Tem o seu trabalho representado na mostra “Fórum Design e Qualidade” em 93, e na mostra “Design Lisboa 94” (publicação da exposição). Desde 1993 desenvolve e gere projetos de design na empresa 2&3D design, e a partir de 2007 na Designpúblico das quais é co-fundador. Em 2014 passa a trabalhar em nome próprio com a R_design global.

Interessado nas questões ambientais e sociais, fez formação em eco-design, Gestão de água, construção ecológica e agricultural biodinâmica.

É co-fundador da associacão Compalha, construção com materials ecológicos em Portugal.

Tem-se dedicado, especialmente, à museografia e aos sistemas de sinalética com trabalhos como o Museu Municipal de Portimão (2010 –prémio “EMYA – European Museum of the Year Award 2010”) ou o projecto de comunicação e sinalética para a ecovia do SW -Sines ou Burgau.

Duarte M. da Silva | oficina de teatro

Duarte Silva provém da colheita de 1985. Consta que é uma das boas, diz-se por aí entre contos e pontos.

Em pequeno, não que tenha crescido muito, comia aletria todo o dia, se pudesse.
Adora ouvir e contar uma boa história, rir, trilhar caminhos à aventura e de observar o movimento dos pássaros enquanto está deitado numa bóia crocodilo. Dança que se farta. Dança e farta-se, mas adora.

Ator, Educador pela Arte, Mediador Cultural e Contador de Histórias.
Licenciado em Teatro pela Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC) – Ramo de Actores e Divadelní Fakulta Akademie Múzických Umeni (DAMU) – Departamento de Criatividade Autoral e Pedagogia.
Colaborador da Propositário Azul, Associação Artística e do Movimento Português de Intervenção Artística e Educação pela Arte (MPIAEA).

Colabora com o Centro Doutor João dos Santos – Casa da Praia no Grupo de Intervenção Lúdico-Terapêutico (GILT).
Atualmente mantém atividade como ator, locutor, performer, mediador cultural, professor de Educação pela Arte e contador de histórias. Conta participações em projetos como espectáculos teatrais, curtas-metragens, locuções/dobragens, performances, happenings e videoclips.

ATELIER 27 | Isabel Mourão

Pintora, nascida no Porto, vive e trabalha actualmente em Oeiras.

Frequência do Curso de Desenho e Pintura (IADE) com   Lima de Freitas e Martim Lapa. (1980). Aperfeiçoamento nos estúdios dos mestres Manuela Pinheiro,  Luís Guimarães e Patrícia Tavera. Frequentou o Curso de Gravura de João Cochofel, Galeria Diferença. Artista residente na OD-Cascais.

Participa regularmente em diversas Exposições, individuais e colectivas .Tem também executado encomendas de retratos , em diversas técnicas , (óleo, aguarela, e sanguíneas/pastel de óleo), tanto para privados como para clientes institucionais ( Universidade Lusíada de Lisboa). Os seus trabalhos foram premiados, no âmbito de um Concurso do “Diário de Notícias”, com a Exposição da obra seleccionada na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa.

Para conhecer mais : http://cargocollective.com/isabelmourao/

Isabel Mourão tem sido desde há muitos anos sido responsável pela implementação de diversos workshops e exposições ,orientados para adultos e particularmente com as crianças em colaboração com Associações e Escolas do Ensino Oficial, nomeadamente em ATLs na Medrosa e Clube das Gaivotas –Bairro do Rosário-Cascais, e Associações, como a ArtOeiras e Oficina do Desenho. Tem também organizado a título particular um vasto número de workshops no seu estúdio em Oeiras, agora deslocado para a Reserva da Fabrica da Pólvora.

Em relação à sua obra, como refere a crítica:

“Isabel Mourão apresenta uma obra tendencialmente em registo figurativo para o mundo da figuração onírica não-surrealista. Os seus trabalhos são produto do sonho alerta, real. O que está distorcido é o resultado, não a premissa. Isto e só isto já corresponderia a um caminho novo que a Isabel está a percorrer e a deixar-nos percorrer. Mas é mais do que isso: é o fruto da vontade da autora em nos dar – verdadeiramente oferecer – uma nova coragem para nos encontrarmos. Entre nós e com a Pintura.”